Novembro 26

Vamos ‘organizar’ e pôr em prática o nosso ensino

O bispo africano, Revd Cleophas Lunga, quer que a Igreja reforce a sua actividade, pondo em prática o seu ensino, vivendo em harmonia uns com os outros e com a natureza.

O Bispo Cleofhas, é o Bispo Anglicano de Matabeleland no Zimbabwe, uma diocese na região ocidental do país, que faz fronteira com a Zâmbia, África do Sul, e Moçambique. Ele falou sobre o seu foco como líder e as suas esperanças para o futuro da Comunhão Anglicana.

Como descreveria o seu papel como líder e quais são as suas maiores prioridades como bispo?

“É um trabalho empolgante e frustrante”. É empolgante ser um líder a este nível porque o espaço para a imaginação e criatividade é muito amplo. Portanto, é empolgante a esse respeito, que tenha tanto para fazer, mas talvez frustrante que haja muito pouco tempo para fazer essas coisas”.

“No meu contexto, quero sempre que aqueles que trabalham comigo, e também aqueles entre os quais trabalhamos, sejam capazes de analisar as questões da produção alimentar. Para mim, a segurança alimentar é fundamental nesta parte do mundo, e especialmente com toda esta questão das alterações climáticas”. Ele disse que é difícil para as pessoas compreenderem como enfrentar a crise ambiental. “Digo às pessoas, não podemos destruir o ambiente que Deus criou”. Mas se Deus está em nós e está connosco, ainda podemos salvar o planeta”.

Quais são as questões-chave sobre as quais a Igreja Anglicana precisa de falar?

“Como Comunhão Anglicana, como igreja mundial e com os líderes reunidos em Lambeth, será crucial que olhemos para as questões do que eu gostaria de chamar ‘realojamento’. Acredito que, nas nossas muitas formas diferentes, estamos deslocados. Somos deslocados se estivermos habituados a temperaturas de 26 graus todos os verões, e começa a ser 36, aproximando-se dos 40 graus. Somos deslocados se não estivermos onde devíamos estar ou se tivermos de deixar a nossa casa”.

“Se não é o clima que nos está a deslocar, é a guerra. A pobreza é também outro factor que nos deslocaliza. Portanto, em todo o mundo, somos um povo deslocado. E, por conseguinte, precisamos de ver como é que “nos reintegramos”. Como é que regressamos a casa? Como recriamos para estarmos no mesmo tipo de ambiente com que estamos familiarizados”?

Qual é o papel da igreja em tudo isto? E existem formas práticas de ver isso já a acontecer?

“Penso que o Arcebispo de Canterbury fez um excelente trabalho no ensino. E agora estamos a aproximar-nos de quase uma década de ensino sobre as questões que nos podem ajudar a viver juntos em harmonia. Isso significa viver em harmonia connosco próprios, uns com os outros, e em harmonia com a natureza. No entanto, a implementação nos nossos vários locais de operação é o que precisa de ser intensificado. Agora precisamos de pôr em prática o ensino de que estamos a falar”.

“A igreja tem sido sempre a consciência, a voz do mundo. E agora precisamos de estar numa situação em que possamos dizer: “Estamos a aceder aos nossos parlamentos? Seremos capazes de contribuir juntos num local onde possamos interagir com os decisores políticos? Penso que as políticas podem ser complicadas e difíceis de compreender. Mas a menos que as igrejas façam interface com os políticos, um a um, durante um longo período de tempo até que a mensagem seja clara, será difícil para os decisores políticos compreender realmente o que a Igreja está a tentar ensinar”.

“Penso que a conferência vai ajudar de uma forma muito grande. Encontramo-nos como diferentes bispos de diferentes contextos e diferentes partes do mundo, sendo obedientes à verdade. Somos diferentes, mas somos o mesmo, na medida em que queremos encarnar essa verdade. Há diversidade de pensamento e diversidade de muitas maneiras, e no entanto, vamos ser um só povo.

“Quando isso acabar por acontecer e nos encontrarmos juntos, como irmãos e irmãs em Cristo, começaremos a ver a mão de Deus em todas estas coisas. Temos sido mantidos juntos através da resiliência, através da paciência, e através da comunicação que estamos a utilizar. Mas Deus está a dar-nos uma oportunidade de nos vermos realmente cara a cara na conferência, e eu penso que esta será uma oportunidade extraordinária”.


Tags


You may also like

Os Bispos discutirão Liderança e Ministério num Mundo Conflituoso como parte da jornada rumo à Conferência de Lambeth em 2022

Os Bispos discutirão Liderança e Ministério num Mundo Conflituoso como parte da jornada rumo à Conferência de Lambeth em 2022
{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}

Subscribe to our updates now

Enter your details below and we'll keep you in touch with the conference as well as sharing resources and news about the event.