Um resumo das Conversas Episcopais de Setembro

Nos dias 7 e 9 de Setembro, teve lugar a terceira ronda de Conversas Episcopais da Conferência de Lambeth.

Os bispos reuniram-se online via Zoom em grupos de cerca de 20 e seguirão com o seu grupo durante a duração do programa de seis meses.

Explorando o que significa ser ‘Igreja de Deus para o Mundo de Deus’, as Conversas Episcopais envolvem oração e estudo bíblico, e visam ajudar os bispos a ouvir e a aprender uns com os outros, no âmbito do seu ministério e das suas experiências.

No mês passado, as sessões exploraram ser ‘Chamados ao Amor Mútuo, baseado em 1 Pedro 1:22 a 2:5 e como é o discipulado no século XXI’.

Este sumário tira algumas das histórias e reflexões das discussões.

Aprender sobre discipulado a partir de objectos pessoais

Os bispos trouxeram uma grande variedade de objectos ligados ao seu discipulado para mostrar a outros no seu grupo. Havia uma bíblia esfarrapada , um recipiente de óleo sagrado, uma cana de pesca, um recipiente de lama e uma t-shirt.

Num outro grupo havia uma caneta dada por um sogro, um rótulo de uma garrafa de mel, um copo de água, uma compilação de fotografias de família e uma pintura de um caminho que recordava a existência de novas pessoas ao longo do caminho para se encontrarem e ouvirem.

A Bíblia esfarrapada veio de um bispo do Zimbabué que descreveu como ela lhe mostra que Deus o aceita por quem ele é, mesmo com todos os seus defeitos esfarrapados. Um bispo da diocese de York em Inglaterra mostrou o seu contentor de lama recolhido do Uganda, representando um ponto de mudança na sua caminhada com Deus.

A importância de ouvir

O tema mais proeminente nas conversas foi a importância de ouvir no discipulado, uma forma de obediência – “precisamos de ouvir, especialmente quando as pessoas que encontramos muitas vezes pensam que estamos lá para falar em vez de ouvir”.

Outro grupo reflectiu sobre como só começamos a compreender o que o Evangelho significa para uma comunidade quando começamos a ouvir realmente: ‘Ouvir é a chave para a construção do discipulado’ e ‘temos de ouvir não só com os nossos ouvidos mas com o nosso coração’.

Um testemunho descreveu como isto é ainda mais importante em situações de conflito: ‘O meu país é um país dividido e tivemos de aprender a ouvir e a viver mutuamente da divisão profunda e da dor – ser bispo aqui é sempre ver as pessoas e ouvi-las do outro lado das divisões – que é mostrar amor mútuo’. Para outro bispo “o discipulado pode ser, antes de mais, uma questão de ouvir e, particularmente como bispos, o nosso ministério consiste em ouvir, apesar de tantas pessoas quererem que falemos. Poderíamos não criar lugares e oportunidades para ouvir os outros – que também são pedras vivas que são chamadas e consagradas”.

Há necessidade de uma espiritualidade humilde de escuta: ‘escutar é um dom de Deus fortalecido pelo Espírito Santo’ e ‘Jesus diz “escuta a minha voz” – se não escutares não aprendes’. Um grupo foi lembrado do ditado de Maya Angelou: “Aprendi que as pessoas vão esquecer o que disseste, as pessoas vão esquecer o que fizeste, mas as pessoas nunca vão esquecer como as fizeste sentir”.

Outro disse: “Nunca é demais sublinhar que o papel de um bispo é ter os seus ouvidos no terreno aonde está o povo”.

Crescer no discipulado através do serviço comunitário

Outro tema de destaque foi a importância do serviço comunitário para o crescimento do discipulado. Um bispo falou de como a cidade mais pobre da sua diocese foi regenerada por um líder da igreja que acolheu conversas comunitárias. Este líder assumiu um edifício do conselho local como gestor e acolheu outras organizações ao serviço da saúde e bem-estar da comunidade, um exemplo maravilhoso de oferta de serviço no centro de um bairro.

Outro bispo relatou que, em resposta à chegada dos refugiados afegãos, algumas igrejas numa área desfavorecida se tinham rapidamente organizado para acolher os refugiados. Outro falou de uma aldeia no norte da Índia onde as raparigas são empurradas para a prostituição e onde a igreja é vista como uma ameaça.

A igreja não se assusta com esta situação, mas dirige uma escola e um albergue para as meninas – “a igreja no meio do sistema de castas como sinal do Reino”. Uma filha de um bispo partilhou a sua fé com os seus amigos e prosseguiu para iniciar um curso alfa com 27 pessoas e 5 cristãos ajudando a liderá-lo. Também foi dito a um grupo que o WhatsApp está a ser utilizado eficazmente para estudar as escrituras com outros 40 – trazendo força a uma comunidade.

Em Rhode Island, nos EUA, há pessoas muito ricas com uma igreja construída à custa do tráfico de escravos e pessoas muito pobres que nunca frequentaram a sua praia. Um paroquiano conseguiu arranjar uma visita à praia para pessoas de ambos os lados que trouxeram lágrimas de alegria, modelando a comunidade na igreja e na sociedade.

Outros grupos reflectiram sobre o papel do amor na construção da comunidade: ‘O amor requer tempo e paciência, não existem soluções rápidas. Precisamos de agir como pais e perseverar com actos de amor. O amor é relacional e precisamos de construir e investir em relações de qualidade”. E à medida que alcançamos as pessoas em discipulado, também nós estamos a ser discipulados’.

Muitos dos grupos partilharam como o discipulado não é algo que se faz sozinho, mas em comunidade, e existem oportunidades para nos envolvermos com os que se encontram em cruzamentos culturais, tais como nas galerias de arte. ‘A Igreja não pode esperar que as pessoas venham até ela para se tornarem discípulos, mas nós, como Igreja, precisamos de ir ter com as pessoas onde quer que estejam, ir a essas comunidades que normalmente não visitamos, e estar com elas, aprender com elas e torná-las discípulos’.

Haviam histórias encorajadoras sobre visitas a prisões e prisioneiros a tornarem-se discípulos e, do Chile, de um ex-soldado britânico que tinha vivido nas ruas durante anos e se tinha tornado um alcoólico, pelo que foi colocado num lar. “Ele queria morrer e perguntou se a eutanásia era possível. [O] Bispo rezou com ele e entregou o seu coração ao Senhor e eles partilharam a comunhão, lendo também juntos o Salmo 23. Após 2 anos de querer morrer, o Senhor levou-o dois dias depois, mas em paz e tendo dado o seu coração ao Senhor”.

Crescer no discipulado através da cooperação ecuménica

Um bispo da DRC sublinhou como quando visitou uma cidade a cooperação ecuménica foi muito evidente: ‘Todas as igrejas estavam lá para nos acolher, eu podia ver unidade e partilha para nos acolher. Eram igrejas anglicanas, igrejas católicas e todas elas se reuniram para nos acolher. Além disso, quando alguém está doente, todos trabalham juntos para encontrar transporte, todos partilham o que têm para levar a pessoa doente ao hospital, por isso vimos este tipo de apoio e amor, amor fraterno que têm de ajudar uns aos outros”. E quando querem ensinar, educar, mobilizar as pessoas, as igrejas não trabalham apenas separadamente – reúnem-se para ensinar, não há divisão, apenas convocam uma reunião comunitária e partilham tudo o que têm com todos os outros”.

O discipulado e a pandemia

Para muitos, a pandemia da Covid continua a ser o maior desafio com uma perda de contacto físico e uma forte dependência da tecnologia. Como aprofundar as relações no seio de uma comunidade online? Para sermos discípulos temos de estar em relacionamento e estar ao lado das pessoas”. Outro grupo disse: ‘Neste tempo de COVID 19, estamos mais preocupados com o futuro das nossas igrejas, ou com as novas maneiras que Deus nos pode estar a chamar para partilhar a palavra de Deus? Precisamos de nos concentrar nas necessidades do mundo, não nas agendas da igreja’.

Atitudes para o discipulado

Há ideias erradas sobre discipulado que precisam de ser corrigidas: ‘Não é um processo simples e leva muito tempo; não é simplesmente encher os bancos; Jesus levou três anos! Precisamos de fazer melhor para ver Jesus diante dos outros’.

‘Discipulado é uma palavra maravilhosa, a essência do que somos chamados a fazer como cristãos. Mas por vezes é mais fácil de dizer do que de fazer. Todos sabemos como é importante conduzir a igreja em direcção a este objectivo, mas ao mesmo tempo parece que, em vez disso, salientamos outros tópicos’. Outro bispo descreveu como existe um fosso entre o que acontece nos campos de férias, conferências, etc., e o que as pessoas (especialmente os jovens) experimentam regularmente nas suas congregações: “Precisamos de desafiar as congregações a abordarem Jesus a um nível pessoal”.

Alcançar os jovens

Vários grupos discutiram como a igreja precisa de fortalecer o seu ministério com os jovens e as famílias, especialmente durante este tempo em que eles estão ausentes do culto da igreja. Os jovens sentem frequentemente que foram apenas ‘usados’ pela igreja e depois abandonados. O baptismo e a confirmação não devem ser o objectivo final – devemos reservar tempo para conversar”. Os jovens também enfrentam o desafio da pressão dos colegas, pelo que a igreja precisa de reconhecer a importância dos grupos de colegas para a juventude. Actividades como os coros, onde os jovens se podem encontrar e alimentar uns aos outros são um recurso valioso numa comunidade de fé; de facto ‘as pessoas precisam de se encontrar com outros, sejam velhos ou jovens, ricos ou pobres’.

Alguns bispos acreditam que deveriam concentrar-se mais no discipulado e menos no crescimento da igreja, pois sentiram que com o discipulado o crescimento da igreja será um resultado de qualquer forma. Entretanto, os requerentes de asilo, os sem abrigo e outros anseiam pela sua aceitação. O que pode a comunidade eclesiástica fazer? “Por vezes estamos demasiado ocupados a construir monumentos em vez de cavar poços profundos e a sujar e beber profundamente”.

Diversidade

Um desafio é quando grupos culturais monolíticos se reproduzem na plantação de igrejas em vez de se envolverem com a diversidade da comunidade em geral. Alguns reflectiram que é de facto difícil conciliar as nossas diferenças, mas foi fácil partilhar os nossos pontos em comum e as nossas vulnerabilidades. Outro bispo partilhou a analogia das paredes de pedra seca. As pedras não eram as mesmas, e não era fácil juntá-las, mas uma vez montadas numa parede, eram mantidas juntas umas pelas outras.

Existem também desafios globais: “Não somos uma igreja centralizada mas uma igreja de muitas Províncias. Isso é um dom e uma força da Comunhão Anglicana onde cada Província pode proclamar o evangelho de uma forma que se liga ao seu contexto e cultura únicos”. Mas o que devemos pensar quando diferentes províncias dão respostas variadas ou conflituosas a uma questão desafiante? O bispo comentou que a natureza descentralizada da Comunhão “sugere que não precisamos de ficar incomodados quando há diferentes abordagens a alguns assuntos importantes em diferentes províncias”.

Foi feita uma observação sobre como o papel de um bispo poderia afastar uma pessoa da missão de base e do discipulado. No entanto, se os bispos fossem capazes de manter este ministério vivo nas suas funções de bispo, “isso conduziria a corações e amor mais cheios”.

Mas ‘a Igreja deve considerar formas em que a noção de obediência tenha sido abusada por aqueles que ocupam posições de poder e autoridade’. Pois ‘por vezes a obediência pode trazer sentimentos de subordinação, por exemplo, na África do Sul e em Israel/Palestina’. Alguns não querem ser obedientes ao sistema e precisam de ser libertados pela palavra de Deus’.

A Conferência de Lambeth do próximo ano

Com base em tudo isto, alguns grupos sugeriram que a conferência do próximo ano deveria centrar-se no uso da tecnologia, no ambiente e no ministério para os jovens. Um bispo disse: “precisamos de uma conferência de Lambeth em forma de Jesus – uma conferência que liberte os que estão nas margens”. Outro disse que: “Precisamos de uma conferência de Lambeth em forma de Jesus – uma que liberte os que estão à margem”: “Precisamos de garantir que todas as vozes sejam ouvidas e respeitadas”. Mas foi-nos dado um grande dom, ‘o Deus que caminha no meio da humanidade’. Ao viajarmos para a Conferência de Lambeth, devemos estar confiantes no contexto em que nos encontramos e conscientes da vida plural em que vivemos”.

A próxima ronda de Conversas Episcopais da Conferência de Lambeth deverá ter lugar nos dias 5 e 7 de Outubro.

O tema da sessão é “Chamado a sair das trevas para a luz”. Baseado em 1 Pedro 2: 9-12 bispos irão explorar ‘Co-criar o reino: ser sal e luz no mundo’.

Saiba mais sobre as sessões de Outubro aqui.


Tags

bc-sept21-septsummary-POR


You may also like

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}

Subscribe to our updates now

Enter your details below and we'll keep you in touch with the conference as well as sharing resources and news about the event.