Resumo das Conversas Episcopais de Outubro

Nos dias 5 e 7 de Outubro, realizou-se a quarta série de Conversas Episcopais da Conferência de Lambeth.

Os bispos reuniram-se online via Zoom em grupos de cerca de 20 e continuarão com o seu grupo durante os seis meses de duração do programa.
Explorando o que significa ser ‘Igreja de Deus para o Mundo de Deus’, as Conversas Episcopais envolvem oração e estudo bíblico, e visam ajudar os bispos a ouvir e a aprender uns com os outros, no âmbito do seu ministério e das suas experiências.

No mês passado, as sessões exploraram o tema ‘Chamado das trevas para a luz em 1 Pedro 2:9-12 e o que significa para a igreja ser sal e luz’.

Cenário – objectos que mostram que a igreja é sal e luz

Os bispos trouxeram diferentes fotografias e objectos às conversas para contar diferentes histórias. Havia um cartaz diocesano com uma fotografia intitulada “Mama Africa in Tears” (“Mãe África em Lágrimas”) com uma mensagem que dizia “NÃO à violência baseada no género”. Havia um computador portátil simbolizando a disparidade entre as crianças que podem comprar computadores para a escola à distância e as que não podem. Mas o computador portátil também simbolizava como as gerações mais jovens ajudaram a adorar para continuar a atravessar a pandemia: antes os jovens pandémicos eram negligenciados, mas agora são reconhecidos como especialistas nesta tecnologia chave. Dois telemóveis representavam a exploração das pessoas através dos meios de comunicação social e também uma recente campanha da igreja para aumentar a sensibilização e promover a boa utilização dos meios de comunicação social. Um pequeno crachá verde com 72 estrelas representava cada uma das pessoas que perderam as suas vidas no incêndio da Torre Grenfell em Londres em 2017, que não são esquecidas e continuam à espera de respostas. Uma imagem de algumas pombas representava como a mudança é possível através do trabalho do Espírito Santo. Um bispo trouxe um fragmento de uma árvore morta pelas alterações climáticas. Outro trouxe uma escultura feita de facas entregues durante uma amnistia com faca, um memorial às pessoas afectadas pela violência das facas. Outro bispo descreveu como pequenas cruzes tinham sido entregues a pessoas da comunidade local e isto tinha falado especialmente aos que estavam a ser traficados, mostrando que nem tudo estava perdido.

Uma chamada

Muitos dos grupos sublinharam a necessidade das igrejas serem sal e luz nas suas comunidades: “Jesus chamou-nos a ser sal e luz, não leite e mel”. Não somos chamados a trazer doçura, mas sim a desafiar e perseverar”. Um bispo de uma comunidade indígena partilhou que “sendo um indígena, sinto a dor e continuo a sentir as injustiças para o povo indígena e a luta do povo indígena na Nova Zelândia”. Assim, em todo o mundo ‘A igreja precisa de ser uma voz contra o racismo, o colonialismo, a pobreza, o extremismo e as questões injustas contínuas relacionadas com a pandemia’. Muitos dos bispos disseram que a igreja precisa de reforçar o seu papel de defesa na luta pelos direitos das pessoas que são marginalizadas, fracas e vulneráveis. Precisa de ser corajosa, ousada e falar em injustiça, nomeando-a para todo o povo de Deus. Temos de procurar alianças estratégicas, para sermos astutos e gentis. Não só com o governo, mas também com as comunidades inter-religiosas para dar uma mão”.

Exemplos inspiradores disto

Grupos ouviram falar do que se está a passar em diferentes partes do mundo. Em Queensland, Austrália, a igreja é agora vista como defensora dos direitos dos indígenas australianos e dos habitantes de Torres Straight Islanders, e está à frente de toda a comunidade nesta matéria. Uma congregação catedral oferece santuário aos sem-abrigo, quando os vizinhos pensavam que iriam querer mudar os sem-abrigo. Na fronteira americana/mexicana a sul de San Diego há um serviço regular que tem lugar em ambos os lados do muro da fronteira, fazendo uma declaração de que as pessoas não devem ser divididas. Em outros lugares, iniciativas de plantação de igrejas estão a levar sal e luz a lugares de escuridão, isolamento e sofrimento. Um bispo partilhou como estavam a realizar cultos tanto para os que são anti-vacinação como para os que foram vacinados. Os bispos canadianos estão agora a usar camisas cor de laranja com o logótipo ‘Every Child Matters’ (“Todas as Crianças Importam”) em memória das crianças que sofreram em escolas residenciais para os povos indígenas, aqueles que se separaram das famílias, negaram o uso da sua língua e cultura e estão sujeitos a abusos.

Mais por fazer

Mas muitos grupos reconheceram que era necessário fazer mais. “Devemos estar dispostos a pedir desculpa pela nossa cumplicidade no sofrimento que nos rodeia e pela nossa inacção, mesmo em áreas onde poderíamos ter feito a diferença”. Os bispos do Canadá estavam especialmente conscientes disto, após a recente descoberta de sepulturas não marcadas nas escolas eclesiásticas. “O que é que mudamos? Mudamos as nossas atitudes de insensibilidade perante a dor dos outros. Ninguém deve sentir que são forasteiros ou estrangeiros, mas sim ser incluído como o mesmo povo de Deus igual e digno. Para que isto aconteça, as estruturas que perpetuam a desigualdade e a injustiça devem mudar”. “Vivemos num contexto de homofobia, misoginia, racismo, medo, agonia, pobreza extrema, condições de vida desumanizadas, exclusão, opressão e violência e ser o sal e a luz é mais necessário em contextos de exclusão e marginalização”. A igreja tem frequentemente falhado em ser uma voz suficientemente forte no apelo à justiça. Precisamos de “apelar àqueles que superficialmente professam ser sal e luz para deixarem de ser uma mera decoração e se tornarem naquilo que professam”.

Como é que isto vai acontecer? Precisamos de ter a certeza de receber o sal e a luz, para que possamos sê-lo para os outros. Não devemos subestimar a nossa necessidade de sermos renovados para sermos eficazes”. Outro bispo comentou que “precisamos de desejar que a luz de Deus seja lançada nas trevas das nossas vidas, famílias e igrejas”. É importante lembrar que ‘a transformação acontece e por vezes não estamos conscientes dela… o sal pode por vezes ser invisível, a luz pode ser difícil de ver e no entanto as coisas estão a mudar. Precisamos de ouvir e confiar que Deus está na sala, e que Deus está activo quer estejamos ou não no controlo do que está a acontecer’. E embora os bispos “se sintam muitas vezes mais confortáveis dentro das nossas igrejas e comunidades eclesiásticas, precisamos de sair das nossas zonas de conforto e partilhar o evangelho com o mundo exterior”. Um bispo comentou que “temos de aprender com pessoas como os refugiados que, como nós, devem habitar um mundo em que nunca estão totalmente “em casa”. Finalmente, “precisamos de nos manter firmes apesar das dificuldades”. Deus chamou-nos a ser sempre luz e sal’.

Junte-se à conversa

– A próxima ronda de Conversas Episcopais da Conferência de Lambeth deverá ter lugar nos dias 7 e 9 de Dezembro.
– O tema da sessão é “Chamados a humilhar-nos a nós próprios”. Com base em 1 Pedro 5:1-4 os bispos abordarão o tema da liderança.


Tags

BC-Oct21-octobersummary-POR


You may also like

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}

Subscribe to our updates now

Enter your details below and we'll keep you in touch with the conference as well as sharing resources and news about the event.