Novembro 26

O nosso maior presente para o mundo – manifestar amor apesar da discordância

Partilhar o amor de Deus e ser uma presença visível de Deus na sua comunidade está no centro da liderança e ministério do recém-nomeado Bispo de Chelmsford, o Rt Revd Guli Francis-Dehqani.

Nascida no Irão, a família do Bispo Guli deixou o país na sequência da Revolução Iraniana em 1980, quando ela tinha 13 anos de idade, e até à data não pôde regressar. Actualmente é bispo na Igreja de Inglaterra, numa diocese muito grande composta por todo o condado de Essex e zonas do leste de Londres.

A Bispa Guli conversou com a equipa de Lambeth sobre o que a liderança significa para ela e para as suas principais prioridades como líder.

“Fico sempre surpreendida quando penso na liderança que há um pouco de tensão para nós. Não penso que a liderança seja um conceito particularmente cristão. Não está realmente presente como uma palavra no Novo Testamento, e é um conceito que se tornou bastante popular hoje em dia. Quando penso na liderança de uma perspectiva cristã, penso em coisas como o serviço. É realmente outra palavra para o ministério, e eu desempenho o meu ministério através do meu papel de líder. Portanto, são coisas como serviço, fidelidade, ser uma presença capacitadora, e operar de uma forma colegial. Em termos das minhas prioridades, é tentar ser uma presença visível e um sinal do amor e cuidado de Deus por cada indivíduo, e tentar permitir que o nosso clero e líderes leigos nas nossas paróquias possam viver essa mesma mensagem no seu próprio contexto e para as suas próprias comunidades”.

Quais são, na sua opinião, as questões mais críticas que o nosso mundo enfrenta? E onde acha que a voz da Igreja é mais necessária?

“São tantos os grandes desafios, tanto para a Igreja como para a sociedade em geral, e provavelmente o maior desafio para nós é o ambiental, como vamos garantir que nos tornamos melhores e mais responsáveis administradores da terra. O que é particularmente trágico na crise ambiental é que ela afecta aqueles que já são financeiramente os mais pobres entre nós, e aqueles que são os mais marginalizados e oprimidos, em todo o mundo. Este é o maior desafio que todos nós enfrentamos como seres humanos e como igreja.

“Como igreja, queremos desempenhar o nosso papel, tornando-nos melhores administradores dos recursos que temos. E o Sínodo Geral da Igreja de Inglaterra comprometeu-se a ser Carbono Zero líquido até 2030. Sei que a diocese que sirvo e todas as outras dioceses da Igreja de Inglaterra estão a tentar encontrar formas de o conseguir nas nossas igrejas através da forma como gerimos as nossas propriedades e como vivemos as nossas vidas de uma forma mais sustentável e responsável”.

“O outro desafio significativo, eu descreveria como uma polarização crescente nos debates públicos e na forma como expressamos os nossos diferentes pontos de vista, a partir do muito extremo, que é em torno de actos de terrorismo. Falo poucos dias depois de um deputado ter sido assassinado na diocese em que sirvo, o que obviamente chocou e abalou a nossa comunidade. E assim é o extremo, mas no outro extremo está a forma como gerimos as nossas diferenças e desacordos, que se tornaram tão polarizados, em parte através da ferramenta grosseira dos meios de comunicação social, que não permite realmente qualquer espaço para a subtileza e nuance. Penso que somos empurrados para posições binárias. Isso está a corroer a nossa vida, tanto na sociedade em geral, mas por vezes também na Igreja. Talvez o nosso maior presente para o mundo possa ser uma demonstração de como podemos mostrar o nosso amor uns pelos outros, mostrar o nosso respeito uns pelos outros, mesmo quando divergimos e discordamos”.

Como é a liderança para si em termos de tentativa de dar esperança à comunidade em tempos difíceis?

“Na sequência do assassinato de Sir David Amess, que era deputado na diocese que sirvo, a liderança tem sido realmente uma questão de estar ao lado das pessoas e de ouvir. Muitas vezes colocamos tanta ênfase no que os líderes ou figuras públicas têm a dizer, mas face a um acontecimento como o que acabámos de enfrentar, na verdade tudo o que tenho sido capaz de fazer é escutar. Já estive no círculo eleitoral que ele serviu. Tenho estado ao lado das pessoas. Visitei a igreja onde ele foi assassinado. Encontrei-me com membros do nosso clero, e apenas ouvi as suas histórias e as suas experiências, como uma demonstração de que estamos com juntos nisto. Estamos todos juntos nisto. Não tenho todas as respostas. Penso que é realmente importante para nós, enquanto líderes cristãos, reconhecer que não temos todas as respostas. O que sabemos é Cristo Jesus, a quem servimos, e que ele próprio seguiu o caminho do sofrimento. Portanto, de alguma forma misteriosa, é nos nossos momentos de maior sofrimento que somos atraídos mais de perto para o coração de Deus. Não é para dizer que o sofrimento é bom em si mesmo, mas há algo misterioso sobre como ele nos pode atrair mais profundamente na nossa fé e mais perto do caminho da cruz. Essencialmente, em situações como esta, a liderança significa realmente escutar e passar tempo com as pessoas”.

O que lhe entusiasma sobre o papel da Comunhão Anglicana e como pode ser uma força para o bem na próxima década?

“Penso que o génio do Anglicanismo sempre foi a forma como se conseguiu manter unido em tensão, pontos de vista díspares sobre um grande número de áreas. Portanto, é uma expressão muito expansiva do cristianismo. É naturalmente muito inclusivo. Tentará encontrar um espaço para todos, dependendo da sua localização. Penso sinceramente que tem o potencial de ser o nosso maior presente para o mundo. Se conseguirmos encontrar uma forma de o manter no amor, o que significa ouvirmo-nos profundamente uns aos outros e estarmos sempre abertos à possibilidade de mudarmos nós próprios. É assim que a transformação acaba por acontecer, não comigo a entrar no argumento absolutamente determinado a ganhar o meu caso e a fazer valer o meu ponto de vista. Mas sim estar aberto a escutar primeiro, e possivelmente até a mudar a minha opinião, ou pelo menos criar um pouco de espaço dentro de mim para uma opinião que não compreendia completamente ou não esperava ser capaz de aceitar. Se conseguirmos viver isso como membros da Comunhão Anglicana em todas as nossas diversas culturas, experiências, línguas e contextos, então temos um dom realmente potente para oferecer ao mundo”.


Tags

BC-Dec21-article-POR


You may also like

Os Bispos discutirão Liderança e Ministério num Mundo Conflituoso como parte da jornada rumo à Conferência de Lambeth em 2022

Os Bispos discutirão Liderança e Ministério num Mundo Conflituoso como parte da jornada rumo à Conferência de Lambeth em 2022
{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}

Subscribe to our updates now

Enter your details below and we'll keep you in touch with the conference as well as sharing resources and news about the event.