Novembro 26

Ser curandeiros feridos num mundo destroçado

O bispo de uma das mais recentes dioceses do Quénia, o Revd Paul Korir, está empenhado em conduzir as igrejas da sua área para novas formas de missão.

Criada em Janeiro de 2016, a nova Diocese de Kapsabet, na parte ocidental do Quénia, tem vindo a dedicar-se a aproximar dos jovens e a ajudar a próxima geração a compreender a palavra de Deus.

Bispo de Kapsabet falou com a equipa da Conferência de Lambeth sobre liderança e como acredita que a Comunhão Anglicana pode trazer cura a um mundo destroçado.

Como descreveria o seu papel de liderança como bispo?

“Como bispos e como líderes, é-nos confiado o mandato de sermos os mordomos da espiritualidade do povo. Os bispos são também os portadores da visão, alguém a quem foi dada a oportunidade de reunir o povo por detrás da visão, e esta deve ser partilhada numa linguagem que seja compreendida por todos”.

“Vejo-me também como um símbolo de unidade”, disse ele. “Assim, como líder, é chamado a mobilizar as pessoas em torno da visão, em torno dos recursos e da sustentabilidade. És chamado a servir. Estais presente, e chorais, e partilhais, e celebrais com as pessoas”. O ministério da presença é muito, muito importante como líder. Portanto, para mim, estas são as três palavras que me vêm à mente quando pensamos no bispo, como líder – a sua mordomia, serviço e mobilização”.

O que precisa de fazer como líder para apoiar as pessoas na sua parte do mundo?

“Somos chamados a ir e fazer discípulos, e Jesus encarrega a Igreja de o fazer. Penso que a primeira prioridade deve ser a missão, ganhar almas para Cristo, evangelizar para que possamos continuar a expandir o Reino de Deus”.

O Bispo Paulo disse que fazer discípulos, para que eles estejam enraizados na palavra de Deus é também uma prioridade. “Outra prioridade é a questão da educação”, disse ele. “A alfabetização bíblica é muito importante, permitindo que os cristãos na igreja se familiarizem e compreendam a palavra de Deus”.

Segundo o Bispo Paul, a capelania nas escolas e universidades é uma forma importante de chegar às crianças e aos jovens. “Vejo isso como uma prioridade. É uma questão de urgência em termos de familiarizar a próxima geração com a palavra de Deus”.

Ele destacou o combate às alterações climáticas e a ajuda a tornar a igreja sustentável como duas outras prioridades na sua diocese. “Precisamos de nos reorganizar”, disse ele, “fazendo uma resposta às alterações climáticas como parte da nossa agenda de missão. E precisamos de equipar a Igreja para poder responder às necessidades de todo o mundo… pensando globalmente e agindo localmente”.

Quais são as suas esperanças para os bispos enquanto se reúnem para a Conferência de Lambeth?

“A Conferência de Lambeth, é uma oportunidade de se ligarem de novo ao sentimento de pertença. É de família. Vejo-a como uma família a juntar-se. É como voltar a casa para partilhar as nossas histórias. Já estivemos no terreno, talvez outros tenham sido feridos, e nós estamos a voltar para casa. Portanto, para mim, este sentimento de pertença lembra-nos que não estamos sozinhos; pertencemos, somos um ombro sobre o qual nos devemos apoiar. Mal posso esperar para conhecer o meu irmão e irmã bispos apenas para partilhar a narrativa do Reino de Deus. É uma família. É uma reunião de família. É um Dia de Acção de Graças”.

Como pode a Comunhão Anglicana ser uma força para o bem no mundo?

“Penso que precisamos de servir como curandeiros feridos. Precisamos de estar a curar pessoas que estão a sofrer. O mundo em que vivemos está realmente a apresentar feridas às pessoas, por isso vamos ser curadores de feridos. Que a Comunhão Anglicana se mantenha como um curandeiro ferido, para que possamos curar e avançar. Vamos continuar a apreciar a nossa estrutura, a apreciar a nossa administração, a apreciar os nossos desafios, e assim por diante. Mas penso que vamos olhar para além disso. Somos uma igreja missionária que pode suportar o teste do tempo”.

O Bispo Paul disse acreditar que a Comunhão Anglicana deveria celebrar a sua identidade. “Penso que por vezes, como a Comunhão Anglicana, escrevemo-nos em letras pequenas, precisamos de celebrar a nossa identidade. Precisamos de celebrar a nossa história e precisamos de celebrar a nossa herança”.

Ele disse: “Creio que cada um de nós deve participar na valorização do reino de Deus onde quer que esteja. Precisamos de estar presentes na vida e no ministério de onde servimos, desde o círculo familiar, à comunidade, à aldeia, à igreja local. E penso que precisamos de colocar muita energia no fortalecimento da família, que por sua vez fortalecerá a igreja local, a paróquia, e até mesmo a diocese”.

O Bispo disse que espera que as resoluções da Conferência sejam levadas a sério e postas em prática a nível local em todo o mundo.
“Temos de prestar contas em termos de levar a cabo as resoluções da Conferência de Lambeth, para sermos como um pacto, porque somos uma família”. Para que, quando se vai para norte, se vai para sul, se vai para oeste, se vai para leste, haja um sentimento de pertença. E devemos incluir os leigos, a maioria desta Comunhão Anglicana, deixá-los fazer parte disto… Creio que precisamos de nos abrir e pedir aos leigos que nos dêem as suas lentes através das quais possamos ver o mundo à nossa volta e influenciar a mudança e a política. Para que aquele padre, ou bispo, gostaria de ver aquele leitor leigo, aquele professor da catequese, aquelas crianças que estão na igreja, a levantarem e dizerem, “esta é a nossa igreja”, e abraçarem-na e participarem e seguirem em frente”.

“Gostaria muito que fossemos uma igreja virada para o exterior quando nos encontrarmos na Conferência de Lambeth, vamos fazer-nos à estrada em termos de alterações climáticas, HIV/SIDA, a pandemia de Covid-19. Rezo para que a Comunhão Anglicana esteja à altura da ocasião… avançando o Reino de Deus, enquanto damos as nossas mãos e avançamos juntos”.


Tags

BC-Dec21-article-POR


You may also like

Discipulado: A reparação de bicicletas ensinou a um bispo as suas maiores lições sobre ‘fazer discípulos’

Discipulado: A reparação de bicicletas ensinou a um bispo as suas maiores lições sobre ‘fazer discípulos’
{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}

Subscribe to our updates now

Enter your details below and we'll keep you in touch with the conference as well as sharing resources and news about the event.