Outubro 25

Mudar o ADN espiritual da Igreja ao serviço da criação

Um coordenador ambiental para a África Austral está a apelar aos bispos para que dêem o exemplo e tomem medidas para transformar o ADN espiritual da igreja em cuidados com a criação.

A Revd Rachel Mash é a Coordenadora Ambiental para os Anglicanos Verdes, que é a rede ambiental da Igreja Anglicana da África Austral, incluindo África do Sul, Eswatini, Lesoto, Namíbia, Angola e Moçambique. Falou com a equipa da Conferência de Lambeth sobre a razão pela qual acredita que a acção sobre as alterações climáticas é tão desesperadamente necessária.

“As acções que tomarmos agora terão implicações muito sérias na forma como os nossos filhos e os nossos netos vivem. A questão que se nos coloca é: se vamos deixar aos nossos filhos um mundo sombrio e árido, ou se vamos deixá-los com um mundo que os sustentará no futuro, um mundo com ecossistemas vivos? Fomos chamados a ser cuidadores da criação. E é importante para nós, como Igreja, recordar o primeiro mandamento que nos foi dado em Génesis 2: 15, foi o de trabalhar a terra e cuidar dela”.

Como encorajaria as pessoas que se sentem esmagadas pela escala da crise climática?

“Penso que precisamos de compreender que se deixarmos isso para os políticos, vamos deixá-lo demasiado tarde… Mas se trabalharmos com movimentos sociais, então podemos mudar o mundo. Somos bombardeados com tantas questões, e isso faz-nos sentir como se não pudéssemos fazer nada”. Ela disse que as pessoas deveriam ler sobre questões climáticas e encontrar as áreas em que são mais apaixonadas pela mudança.

“Descobre o que te está a partir o coração, porque é aí que o Espírito de Deus te toca. E quando tiveres identificado essa questão, encontra um grupo de pessoas ou movimento social com o qual possas trabalhar… O antídoto para o desespero é a acção. Assim, uma vez que se começa a agir, então a esperança começa a ser criada”.

Porque é que os povos indígenas são tão afectados pela crise climática e qual é o seu papel na concretização da mudança?

“Penso que a primeira coisa que temos de fazer é lamentar. Temos de reconhecer que, como igreja institucional, temos tratado os povos indígenas de forma terrível. Depois temos de reconhecer que os povos indígenas, de acordo com o Fundo Mundial para a Natureza, constituem apenas 6% da população mundial, mas estão a proteger 80% das últimas áreas intactas de biodiversidade remanescentes. Portanto, eles são a linha da frente das alterações climáticas. Vivem nas áreas mais afectadas pelas alterações climáticas, e vivem da terra em geral. Os seus modos de vida, os seus meios de subsistência, as suas culturas estão a ser destruídos à medida que são empurrados para fora da terra”.

Rachel disse: “Eles são os mais afectados e são também os que mais podem fazer para proteger a biodiversidade nessas áreas”. Se pudermos aprender com os irmãos e irmãs indígenas, e particularmente se pudermos apreciar as nossas vozes indígenas anglicanas, então poderemos encontrar uma forma diferente de nos relacionarmos com a criação”.

De acordo com Rachel, o cuidado com o ambiente tem de ser mais do que um ‘suplemento’ e exigirá uma mudança no ADN espiritual.

“O que é importante para nós como Igreja é que mudemos o nosso ADN espiritual. E nos últimos nove anos, a Igreja Anglicana na África Austral tem feito parte do movimento ‘Época da Criação’ de 1 de Setembro a 4 de Outubro. Tem esta maravilhosa oportunidade de olhar realmente para o que as Escrituras nos dizem sobre a criação, de rezar sobre ela, de pregar sobre ela, de a celebrar, de a lamentar. E à medida que a Igreja começa a incorporar a ‘Época da Criação’, verificamos que o nosso ADN espiritual começa a mudar, e depois as acções seguem”.

Quais são as mudanças que se começam a verificar?

“Estou realmente encorajado pelo que está a acontecer na Igreja na África central, as pessoas estão a ver formas muito práticas de fazer a diferença, de restaurar os ecossistemas. Muitos bispos dizem, cada criança que é confirmada deve plantar uma árvore. Quando se tem um funeral, tem uma árvore memorial e uma memória de alguém que faleceu. Isso tem sido uma coisa bastante curativa para as pessoas durante a COVID, porque muitas vezes não podíamos assistir a funerais. Assim, as pessoas plantam árvores memoriais em memória de alguém que faleceu, onde não podiam ir ao funeral. A ligação dos nossos ritos de passagem com a plantação de árvores significa que essas árvores não serão apenas plantadas, a árvore será cuidada e cuidada e crescerá porque significa algo para elas”.

“Outro exemplo com que estivemos envolvidos na Namíbia foi quando uma empresa canadiana de perfuração quis perfurar numa das áreas mais primitivas do mundo, a Bacia do Congo. Foi muito encorajador ver como os bispos da África Austral assinaram uma petição para parar a perfuração, e a petição obteve imediatamente o apoio dos nossos irmãos bispos e arcebispos no Canadá, de onde a empresa de perfuração, ReconAfrica, é originária. Assim, tornou-se uma petição internacional global. Depois de a empresa de perfuração ter processado o jornal local namibiano que tinha quebrado a história, todas as outras agências de imprensa ficaram muito caladas, porque estavam preocupadas em serem processadas. Mas quando os bispos assinaram uma petição para parar a perfuração, isso tornou-se a história. As agências noticiosas podiam escrever histórias sobre o bispo anglicano que se opunha à perfuração na Namíbia sem qualquer medo de ser processado. A advocacia pode efectivamente levantar as questões porque a voz da Igreja ainda é reconhecida e faz realmente a diferença”.

Como gostaria de ver os bispos da Comunhão Anglicana continuarem a responder à crise climática?

Rachel acredita que os bispos podem ser modelos poderosos para a mudança climática e para o cuidado com o ambiente. “Uma das coisas importantes sobre os bispos é que as pessoas o observem e as pessoas olhem para si e as pessoas olhem para si. E quando os bispos começam a ser modelos de comportamento diferente, isso faz tanta diferença. Penso em alguns dos bispos ecológicos e bispos verdes, quando os vemos no campo a plantar as suas papaias, com as mangas arregaçadas com uma pá, essas imagens tornam-se virais. Porque as pessoas vêem que este é o meu bispo, o meu bispo está a cultivar papaias, ou a apanhar lixo na rua. E depois começa-se realmente a mudar as pessoas porque elas dizem: “Oh, se o meu bispo consegue fazê-lo, então eu também o deveria fazer”.

Ela disse que também gostaria de ver os bispos a defender as vozes dos jovens.

“Penso que os jovens são os profetas do nosso tempo porque compreendem que isto é o futuro deles”.

“Os jovens querem mudar este mundo”. Os jovens estão a levar as empresas de combustíveis fósseis aos tribunais e a ganhar. Os jovens estão a inventar novas formas de fazer as coisas com emissões reduzidas de carbono. Eles são empresários, estão a fazer a diferença. E se nós, como Igreja, não damos ouvidos aos jovens neste momento da história, porque haveriam eles de querer fazer parte desta Igreja”.

“É uma oportunidade espantosa para nós neste momento, para chegarmos aos jovens, e para lhes mostrarmos que a Igreja se preocupa. Podemos ampliar as vozes dos jovens profetas do nosso tempo, através da Comunhão Anglicana, de modo a podermos ouvi-los e ouvir o que o Espírito está a dizer à Igreja de hoje”.

“Esta é a década mais importante da história humana. Sim, a tarefa que temos pela frente é enorme, mas as oportunidades nunca foram maiores. As nossas acções podem fazer uma diferença radical”.


Tags

BC-Nov21-article-POR


You may also like

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}

Subscribe to our updates now

Enter your details below and we'll keep you in touch with the conference as well as sharing resources and news about the event.