Agosto 29

“Sem o discipulado, estaremos em apuros”, diz o Bispo jamaicano

O Arcebispo Howard Gregory diz que continua a procurar e a crescer como discípulo após 20 anos como bispo.

O Revd Howard Gregory, é o Bispo da Jamaica e das Ilhas Caimão, e Arcebispo da Província das Índias Ocidentais. Falou com a equipa da Conferência de Lambeth sobre como ele acredita que o discipulado é a chave para alcançar a próxima geração.

Tendo perdido ambos os seus pais aos 15 anos, o Arcebispo Howard disse que foi a comunidade eclesiástica que o tinha alimentado e ajudado a crescer na fé.
“Eu diria que a parte inicial do meu crescimento como discípulo foi no contexto familiar, mas a igreja como família tornou-se a influência mais forte em termos do que o discipulado significa para mim”.

“O Arcebispo Rowan Williams, influenciou alguns dos meus próprios pensamentos, porque fala do discipulado como ‘um estado de ser’. E para mim, isto é importante porque fala de uma centralidade, não de factores externos, mas de algo profundo dentro da pessoa, que determina quem eu sou, como respondo à vida, às pessoas, e ao mundo. Também o vejo como um processo contínuo e inacabado”.

“Creio que é um desafio para muitos de nós, como ministros ordenados, que precisamos de nos lembrar que temos de crescer como discípulos e não apenas ajudar os outros a crescer. E acredito que ainda estou à procura e a crescer como discípulo”.

Para o Arcebispo Howard o discipulado deve envolver a comunidade. “É preciso ter um compromisso, mas é preciso também estar ligado a uma comunidade de fé onde somos desafiados, onde ouvimos a Palavra, somos nutridos e onde nos apoiamos uns aos outros. Mas o discipulado também envolve disciplinar os outros, não é suficiente ser um discípulo profissional. Uma pessoa tem de participar na disciplina dos outros”.

“Penso que temos de nos concentrar no facto de que a Igreja é a comunidade dentro da qual o Evangelho é proclamado e a fé é alimentada… É certamente necessário ouvir essa Palavra no contexto da comunidade exercitando fielmente o Evangelho, evangelizando e, esperemos, ajudando as pessoas a crescer”.

“No meu próprio ministério, parte do que tento fazer em termos de ajudar no processo de disciplinar dentro da comunidade de fé é encorajar coisas como o programa Alfa, e temos um centro de retiro como uma oportunidade para nutrir discípulos e o seu crescimento na fé. Mas há um outro lado do discipulado que envolve a participação no que é a quarta marca da missão, o alcance, a dimensão de serviço da fé”.

O Arcebispo Howard diz que o foco da Comunhão Anglicana no discipulado tem sido importante porque tem ajudado a sensibilizar a população da diocese para o discipulado. “No nosso contexto, despertou alguns para a importância do discipulado, a importância do seu crescimento, a importância da sua relação com Deus, de ter um testemunho; porque, como digo às congregações, se não se tem um testemunho, então não se tem algo para partilhar. Assim, permite que as pessoas se concentrem e depois possam discipular os outros para poderem partilhar o evangelho, mas também para poderem participar na missão da igreja. E essa missão pode ser qualquer coisa, desde ajudar as crianças com as suas propinas escolares ou ajudar os idosos”.

E quanto às mudanças que a igreja enfrentará no futuro?

Disse que o discipulado dentro da cultura e contexto em mudança de hoje apresenta uma série de desafios, tanto nas Índias Ocidentais como noutras partes da Comunhão.
“A experiência da COVID é uma experiência que fala de transição, porque estamos a falar do novo normal. Estamos a falar de para onde estamos a ir – não temos a certeza. COVID fez-nos tomar consciência do facto de que algumas das velhas formas de fazer as coisas já não funcionarão. À medida que nos movemos, por exemplo, de cara a cara, isso tem-nos refreado enquanto comunidade, estamos também a ver uma mudança na nossa compreensão do que é realmente a igreja. Porque onde as congregações não se podiam reunir e estão em linha, algumas pessoas dizem que não têm a certeza se querem voltar a estar frente a frente. Para mim, isto faz parte da transição com a qual temos de lidar. E não creio que possamos ignorar que os ministérios em linha estão aqui para ficar”.

“Acredito que o futuro da igreja vai ver menos ênfase na vida institucional da igreja”. Há obviamente a nossa população jovem que não está tão ligada às instituições tradicionais. Isso não significa que não sejam espirituais, ou que não estejam interessados. Portanto, teremos de ver como vamos lidar com essa realidade”.

“Também acredito que estamos num mundo neste momento, onde há tanta confusão sobre o que constitui verdade, e o que constitui facto ou o que é falso. Esse é o mundo em que teremos de funcionar… Se tomarmos mesmo a resposta da COVID, imaginaríamos que algo como a vacina é algo que qualquer pessoa quereria apoiar para as pessoas. Mas há partes da igreja que fazem parte das teorias da conspiração, que impedem as pessoas de tomarem a sua vacina, e estamos a sofrer com isso no meu contexto, neste momento”.

“Estamos perante um tempo de transição em várias frentes, não podemos escapar-lhe, igreja, igreja institucional, não terá o mesmo aspecto, embora ainda haja lugar para ela. Mas talvez a igreja esteja mais enraizada em pequenos grupos e em comunidades, e teremos de envolver as pessoas de uma forma diferente”.

“Penso que um dos desafios que enfrentamos como anglicanos é que assumimos que a nossa igreja, certamente para a minha parte da comunhão, continuará a crescer porque a mãe e o pai terão alguns filhos. Estas crianças virão pela escola dominical, pela confirmação, casar-se-ão, e os filhos continuarão naturalmente como anglicanos, e nós teremos apenas uma igreja que continua assim. Essa realidade já não é assim. Por isso, temos de aprender que temos de ultrapassar o nosso sentido de centralidade e começar a estender a mão. E é aí que o discipulado se torna muito importante para podermos alcançar para ensinar. Porque sem isso, vamos estar em sérios apuros. E vejo que, na nossa área, com novos empreendimentos habitacionais. Se tivermos casais jovens com filhos pequenos aos milhares, a mudarem-se para uma comunidade, e a Igreja Anglicana não fizer parte disso, falta uma geração”.


Tags

BC-Sept21-POR


You may also like

POR – December post 1

POR – December post 1

POR – December Scenesetting

POR – December Scenesetting
{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}

Subscribe to our updates now

Enter your details below and we'll keep you in touch with the conference as well as sharing resources and news about the event.