Mudar a cultura da igreja visando o discipulado

O Bispo do Norte da Argentina diz que gostaria de ver a cultura da Igreja Anglicana mudada para que o discipulado faça parte do seu ADN.

O Revd Nick Drayson é o Bispo do Norte da Argentina e Primaz da província anglicana da América do Sul, que inclui a Argentina, Bolívia, Paraguai, Peru e Uruguai. Exerceu a maior parte do seu ministério na América do Sul, tendo sido aí ordenado diácono há mais de 40 anos.

O Bispo Nick falou com a equipa da Conferência de Lambeth sobre como acredita que o discipulado é a chave para o crescimento da igreja.

“Uma das coisas que temos dito frequentemente no grupo de trabalho de Discipulado Intencional da Comunhão Anglicana, é que queremos mudar a cultura da Igreja Anglicana. Acima de tudo, gostaríamos que as pessoas olhassem para a Igreja Anglicana e pensassem, discipulado”.

“Penso que estamos muito longe disso, embora tenha havido alguns avanços maciços e alguns passos maciços na forma como muitas igrejas através da comunhão levaram o discipulado mais a sério, e mais centralmente, mas penso que mudar a cultura é algo a que todos nós aspiramos”.

Em termos de futuro, disse: “Temos de levar a sério o desafio da multiplicação, onde Jesus chamou 12 discípulos, discipulou-os durante três anos e depois enviou-os e todos eles fizeram discípulos; e é por isso que temos hoje uma igreja mundial. Mas este desafio ainda existe, de multiplicar para fazer discípulos, que farão discípulos”.

“Há uma citação que usamos frequentemente e que eu acho muito desafiante que diz: ‘Se fizerem discípulos, terão sempre a igreja. Mas se tentarem construir a igreja, raramente conseguirão discípulos”. Dito de outra forma, é possível fazer igrejas sem necessariamente conseguir discípulos. Mas se realmente fizeres discípulos, definitivamente terás igrejas. Portanto, vamos estabelecer o nosso discipulado segundo os padrões de santidade, amor, aprendizagem e compromisso de Jesus”.

Como definiria discipulado?
“Penso que a forma mais útil que encontro para definir discipulado é a frase ‘Jesus moldou a vida’, que mostra os dois tipos de aspectos do que significa discipulado. Está a ser moldado pelos ensinamentos de Jesus, o seu exemplo, a sua pessoa, os seus caminhos, e que nos moldam pela forma como pensamos e agimos, mas também a ser moldado por Jesus através do Espírito Santo trabalhando em nós para produzir mudanças e crescimento.
Discipulado mais simplesmente definido significa aprendizagem. Quando Jesus chamou homens e mulheres para estarem perto dele, chamou-os para estarem com ele e para caminharem com ele, e para aprenderem com tudo o que ele fez. E assim é efectivamente o que os discípulos ainda são chamados a fazer. E nós somos chamados a fazer discípulos. Assim, ser discípulo é viver, partilhar, uma vida moldada por Jesus, na sua expressão mais simples”.

Segundo o Bispo Nick, construir discipulado no contexto da América do Sul envolve trabalhar com pessoas em muitos contextos diferentes.
“A nossa diocese é bastante variada em termos de cultura, temos quatro ou cinco línguas diferentes, desde o ministério europeu baseado na cidade, até às pessoas muito rurais, caçadores-colectores tribais que vivem em muito mais de uma comunidade face a face. Uma das coisas que a igreja faz é reunir pessoas, talvez que normalmente não estariam juntas. Portanto, temos isso a um nível macro, na diocese, com pessoas de origem europeia e pessoas de origem tribal, tendo de tentar misturar-se e compreender-se mutuamente. E se pensarmos no discipulado nesses termos, estamos a pensar no que significa ser um líder em forma de Jesus, ou um pai ou mãe em forma de Jesus, ou estudante ou trabalhador, ou mesmo um caçador. E assim, o objectivo do discipulado num contexto comunitário é que não é apenas o que acontece na igreja, quando estamos a falar de coisas espirituais. Trata-se de toda a nossa vida, na comunidade onde Deus nos colocou, e a igreja como uma espécie de comunidade dentro daquilo que é o modelo de uma forma de fazer as coisas moldada por Jesus, e dá espaço para o reino de Deus crescer e manifestar-se em comunidade”.

O que vês como as barreiras ao discipulado?
“Algumas das barreiras para as pessoas se tornarem discípulos ou chegarem à fé, têm a ver com individualismo e autonomia, querendo exercer os seus próprios direitos e ser independente, o que em muitas partes do mundo é um valor muito importante, talvez menos em algumas outras culturas. Outra área é a insinceridade e a hipocrisia, onde as pessoas vêem a igreja a fazer algo diferente daquilo em que ela diz acreditar. Quando Jesus nos chama para sermos discípulos, pede-nos que façamos o que ele disse e fez, e isso envolve obediência. Penso que uma das grandes barreiras ao crescimento para a fé no nosso contexto é uma espécie de superficialidade e nominalismo, o que significa que as pessoas não estão de facto a viver a sua fé”.

Como é que o discipulado se relaciona com o crescimento da igreja?
“Penso que o discipulado faz com que as pessoas saiam em missão. Os discípulos foram chamados a fazer discípulos. E essa é a base da missão, mas também a forma como Deus nos chama a sair em missão, em vez de ser apenas um amontoado sagrado. Penso que este é um desafio claro ao nosso egoísmo e individualidade, para realmente sairmos das nossas zonas de conforto para novos lugares, relacionarmo-nos com novas pessoas, e sermos vulneráveis e partilhar as boas novas. Por isso, penso que está fundamentalmente relacionado. Posso pensar num certo número de pessoas que, por se terem tornado discípulos, se levantaram e partiram e ajudaram a ajudar outras pessoas ou partilharam boas notícias com outras pessoas, o que foi desconfortável”.

Como é que o discipulado tem um impacto nas questões actuais do nosso mundo?
“O conceito de ser um discípulo de toda a vida afasta-nos da ideia de que o discipulado é apenas algo que se faz no contexto de uma igreja para ter a ver com questões espirituais. Tem a ver com tudo. Portanto, se nós, como cristãos, abordarmos grandes desafios como o clima, injustiça, pobreza, racismo, violência de género, fazemo-lo como discípulos. E precisamos de nos perguntar a nós próprios o que é uma resposta moldada por Jesus a estas coisas, e se fizermos isso como comunidade, então modelamos uma resposta moldada por Jesus a viver nesse contexto. Não estamos a ser discípulos num vácuo, estamos num contexto muito claro onde os valores do Reino precisam de ser modelados e ensinados e aplicados a esses desafios”.


Tags

BC-Sept21-POR


You may also like

POR – December post 1

POR – December post 1

POR – December Scenesetting

POR – December Scenesetting
{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}

Subscribe to our updates now

Enter your details below and we'll keep you in touch with the conference as well as sharing resources and news about the event.