Novembro 1

Dê o exemplo para combater os efeitos das alterações climáticas

Um perito e conselheiro em ambiente e alterações climáticas para as igrejas em África acredita que os bispos e as igrejas devem assumir a liderança no combate às alterações climáticas através de acções positivas.

Nicholas Pande é o Oficial de Projecto do Conselho das Províncias Anglicanas em África, com sede em Nairobi, Quénia. O seu mandato inclui segurança alimentar, resiliência e resposta a catástrofes, saúde, conservação ambiental e adaptação às alterações climáticas.

Falou com a equipa da Conferência de Lambeth sobre como as alterações climáticas estão a afectar África e como as igrejas podem ajudar o mundo a enfrentar a crise.

Com sede no Quénia, Nicholas Pande tem muitos anos de experiência no trabalho para proteger o ambiente e ajudar aqueles que foram afectados por catástrofes naturais.

“Nos últimos 10 anos, tenho trabalhado com a igreja, sobretudo na construção de resistência da comunidade a catástrofes, especialmente catástrofes naturais, e no trabalho com jovens nesta área”.

Como é que a crise climática e as catástrofes naturais o estão a afectar no Quénia?

Nicholas disse no Quénia, como muitos outros países africanos, que estão dependentes da sua economia agrícola. Ele disse: “Setenta por cento dos africanos vivem na zona rural, e até 80 por cento deles trabalham na agricultura. A maioria deles são pequenos agricultores, que dependem da chuva, porque a agricultura irrigada é uma percentagem muito pequena da agricultura africana. Assim, a crise climática, que conduziu a padrões de precipitação imprevisíveis, afecta a produção agrícola. Este tem sido o maior golpe para nós no Quénia e no resto de África. As pessoas dependem da chuva para produzir colheitas e temos sofrido muitas falhas de colheitas e perdas de gado, o que tem agravado a questão da insegurança alimentar”.

Para além do fracasso das colheitas e da falta de alimentos, Nicholas disse que as mudanças climáticas tinham levado a problemas de saúde, uma vez que muitas mais espécies de vida marinha, tinham aumentado os casos de malária. “Mesmo em áreas mais frias, que não eram habitats naturais para estes parasitas, as pessoas estão a apanhar malária, porque os locais estão a ficar mais quentes”.

O que é que a igreja está a fazer para ajudar as pessoas enquanto enfrentam a crise climática?

“O que a igreja tem tentado fazer é aumentar a capacidade das comunidades para enfrentarem a crise. Por exemplo, tem vindo a promover a agricultura em terras secas para ajudar os agricultores a adaptarem-se mais às épocas secas mais longas. As igrejas estão a encorajar os agricultores a cultivarem culturas de maturação curta ou precoce”. Ele disse que a igreja está também a encorajar a plantação de árvores para combater a desertificação, bem como promover fogões de cozinha mais eficientes do ponto de vista energético, em vez dos tradicionais queimadores de carvão vegetal.

Segundo Nicholas, a plantação de árvores é uma das iniciativas mais importantes em que todas as igrejas podem estar envolvidas. “No Uganda, a diocese está a distribuir mudas de árvores e depois a conduzir a plantação de árvores através das comunidades. Assim, não se trata apenas de dizer às pessoas para plantarem árvores, mas também de fornecerem plântulas. A igreja no Quénia também está a gerir esse programa e tem prosseguido com a adopção de algumas florestas. Portanto, há uma monitorização consistente das árvores plantadas e estamos a conservar essas florestas, à medida que continuamos a cultivar árvores”.

“No Gana, a igreja está a ter uma campanha de cultivo de um milhão de árvores, em conformidade com o que o governo está a fazer. A igreja no Malawi cultiva árvores e o Malawi tem um conceito de ligar o cultivo de árvores a duas ocasiões nas nossas vidas. Assim, se houver um casamento, o casal que vai casar cultiva uma árvore, e se houver um funeral, no cemitério plantam uma árvore… Há muitas árvores cultivadas pela igreja em África, na verdade no Burundi cultivaram três milhões de árvores ao longo dos últimos oito anos”.

Pode dizer-nos o que os jovens sentem sobre a crise climática e o que a igreja está a fazer?

“Os jovens vêem isto como um assunto muito importante porque são eles os mais afectados. Há também a sensação de que este é um momento muito crítico para tomar decisões sobre o ambiente”.

Ele disse que os jovens têm energia, criatividade e inovação para serem capazes de fazer mudanças. “Penso que colocar os jovens no centro disto dá-lhes a oportunidade e o espaço não só para envolver os decisores, mas também para apoiar a mitigação e adaptação que é a nossa principal preocupação”.

Em África, Nicholas disse que os representantes da juventude das igrejas provinciais estavam concentrados em questões de ambiente e estão a mobilizar o resto dos jovens na igreja.

“Eles precisam da acção dos primatas e dos bispos porque estão realmente na vanguarda da defesa disto. A liderança da igreja, eu diria que actualmente, é um pouco ambivalente”.

O que diria aos bispos de Lambeth sobre a forma como a igreja precisa de responder à crise climática global?

“Creio que a igreja deveria estar muito envolvida nisto, porque se trata de um mandato bíblico de mordomia da criação. Penso também que os bispos estão em melhor posição para influenciar a política, e que devem providenciar liderança à Igreja e às suas comunidades nesta área. Na prática, é isso que está a acontecer com a plantação de árvores. Portanto, isso é liderança na prática”.

“Na minha experiência, quando há propriedade a nível da liderança, há mais prática a nível da base. O desafio tem sido quando há um pouco de iniciativa na base e a liderança não está realmente empenhada”.

Ele disse que as igrejas poderiam fazer mais para fornecer recursos e colocar o cuidado da criação nas suas liturgias e programas de discipulado. “Portanto, não se trata apenas de mobilização da comunidade”, disse ele, “mas também de reforço da capacidade da Igreja em compreender o cuidado com o ambiente”.

“A minha esperança nos próximos meses é que os governos sejam mais ambiciosos, e que a Igreja encontre uma forma de trabalhar com os governos e as suas agências para concretizar esses compromissos”. Por isso, espero realmente que os bispos comecem a compreender, nos seus contextos particulares, o que os nossos governos estão a reunir para fazer na COP 26. E quando o trouxerem para as igrejas, ajudarão os congregantes a compreender o seu papel na implementação desses objectivos”.


Tags

BC-Nov21-article-POR


You may also like

Discipulado: A reparação de bicicletas ensinou a um bispo as suas maiores lições sobre ‘fazer discípulos’

Discipulado: A reparação de bicicletas ensinou a um bispo as suas maiores lições sobre ‘fazer discípulos’
{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}

Subscribe to our updates now

Enter your details below and we'll keep you in touch with the conference as well as sharing resources and news about the event.