Julho 31

A educação de qualidade está a atrair os jovens

O recentemente nomeado Arcebispo de Alexandria e Bispo da Diocese do Egipto diz que um dos segredos do crescimento das igrejas num contexto multi-fé é através da educação e tornando a igreja aberta e acolhedora para todos.

O Revmo. Samy Fawzy, que foi inaugurado no seu novo cargo na Catedral de Todos os Santos no Cairo no mês passado (Junho), é o primeiro Arcebispo da nova Província Anglicana de Alexandria, que se estende por todo o Egipto, Norte de África e Corno de África. Devido à sua geografia, a nova província, abrangendo 10 países africanos, foi chamada a porta de entrada entre o Norte e o Sul global e inclui Gambella na Etiópia, onde a igreja tem visto um rápido crescimento.

O Arcebispo Samy falou sobre como tem visto a igreja na sua área a proclamar as boas novas e a crescer de forma constante ao longo dos últimos 30 anos.

“Começámos com uma igreja em Adis Abeba. E ao longo dos últimos 20 a 30 anos, a igreja cresceu gradualmente até se tornar 145 igrejas na área de Gambella. E depois a norte da Etiópia existem muitas outras igrejas, e crescemos em todas as partes da diocese. No Egipto, crescemos tremendamente, não tão depressa como o crescimento na Etiópia, mas crescemos em número, em maturidade e compreensão através de uma nova escola teológica que temos no Cairo e Alexandria e no Alto Egipto. No norte de África, temos congregações em vários países, incluindo a Líbia, Tunísia e Argélia, pelo que crescemos em número em muitas áreas.”

Qual é o segredo do crescimento das igrejas na Província?

“O crescimento das igrejas é diferente em cada lugar. Penso que um dos segredos no Egipto é a educação. Temos uma escola teológica onde temos muitos jovens que vêm para aprender e depois vão fazer missões e ministérios em diferentes partes da igreja.” Ele disse que o trabalho social e o trabalho cultural também fazem parte do seu alcance nas comunidades. “O que fazemos no Egipto é muito mais do que o número de igrejas, porque servimos toda a comunidade”.

“Na Etiópia ocidental houve um crescimento gradual quando as pessoas se encontraram debaixo de uma árvore e adoraram o Senhor”. Depois criámos uma pequena igreja. Íamos para outro lugar onde haveria alguns anglicanos e construíamos outra igreja. Tínhamos também um bispo a viver na escola médica em Gambella, e através da sua liderança e de outros líderes e clero, ela cresceu tremendamente.”

Como é que a igreja tem alcançado os jovens?

“É tão difícil chegar agora à geração mais jovem com a pressão do tempo, dos meios de comunicação social e da Internet e é tão difícil convencê-los a vir à igreja. Mas quando se tem realmente algo a dizer, oferece-se um elevado nível de educação, e as pessoas sabem que se respeita a sua espiritualidade e o seu intelecto, tudo isto ajuda. Os jovens vêm e gostam de estudar, sabendo que a nossa educação é uma das melhores. Através dos seus estudos connosco, o Senhor está a chamar os jovens para o ministério a tempo inteiro.”

As pressões económicas com alguns jovens a trabalhar em dois empregos diferentes e a tornar as suas vidas tão ocupadas e pressionadas é uma das barreiras para os jovens chegarem à fé, segundo o Arcebispo Samy.

“Penso que os jovens adorariam estar na igreja mais do que uma vez por semana, e querem fazer diferentes ministérios. Mas se estão tão ocupados com o trabalho, é difícil. Temos um centro de formação onde ensinamos aos jovens diferentes vocações para que eles se possam sustentar. E recentemente organizámos seminários em várias regiões pobres. Quando os jovens vêm e aprendem edição de vídeo e fotografia e coisas diferentes, isso proporciona-lhes um bom rendimento. É bom também para a igreja, porque precisamos de passar de pessoa a pessoa para igreja virtual. Se se fala árabe e se está no Médio Oriente, há de facto uma oportunidade de alcançar milhões de pessoas, não só no Egipto, mas em todo o Médio Oriente e Norte de África, com as boas notícias de Cristo. Assim, o desafio que enfrentámos para atrair os jovens tornou-se uma grande oportunidade, para proclamar as boas novas.”

Situada num lugar geográfico tão estratégico no mundo, a nova Província de Alexandria, que anteriormente fazia parte da Província Anglicana de Jerusalém e do Médio Oriente, forma uma ponte entre o Médio Oriente e a África.

“Ainda temos muitas ligações com Jerusalém e o Médio Oriente. Por um lado, estamos a falar árabe e a nossa educação teológica é feita em árabe. O Egipto encontra-se no meio do mundo árabe, falando a mesma língua, pelo que crescemos como cristãos num contexto islâmico. Temos uma relação muito forte com o mundo islâmico. Uma das visões que temos para a igreja no Egipto é ter um centro islâmico cristão, onde ensinamos as pessoas a compreender o contexto… Somos como uma ‘igreja ponte’, tendo esta forte relação com a Igreja Copta Ortodoxa, a Igreja Católica, com as igrejas protestantes, e como membro do Conselho de Igrejas do Egipto. Por isso, fazemos o nosso melhor para nos tornarmos uma igreja que acolhe a relação com outras igrejas, e que também acolhe a relação com a cultura e a comunidade islâmica.”

Viver a fé dentro de outra cultura é sempre um desafio. O Arcebispo disse: “Se vivermos numa cultura islâmica, seremos sempre desafiados”. As pessoas perguntar-lhe-ão a toda a hora, sobre a sua fé e as suas doutrinas. O Egipto é um país muito religioso, por isso tem pessoas a desafiá-lo a toda a hora. É preciso saber no que se acredita e aprofundar as escrituras e saber em que pé está. Portanto, amamos os nossos vizinhos e é muito enriquecedor ouvir as suas opiniões e falar e discutir com eles.”

“A nossa igreja está aberta. E quando as pessoas chegam à igreja vindas de diferentes religiões, ou de diferentes origens, são livres de vir e entrar na igreja e ouvir. Nas catedrais no Cairo e em Alexandria temos centros culturais, e temos centenas de muçulmanos que vêm à igreja para seminários e actividades onde muçulmanos e cristãos no governo podem reunir-se e fazer coisas. Não é ameaçador para eles, porque sabem que os amamos. E estamos realmente a ajudar a construir o futuro, através desta partilha mútua e trabalho conjunto.”

O Arcebispo disse que trazer compreensão e reconciliação entre as diferentes religiões era o objectivo de um dos seus projectos. A igreja no Alto Egipto envolveu-se com comunidades onde os cristãos tinham sido forçados a abandonar as suas aldeias devido à forma como estavam a ser tratados pela comunidade predominantemente muçulmana.

“Levámos jovens muçulmanos desta aldeia a visitar um dos nossos hospitais e alguns a visitar as nossas escolas, e mostrámos-lhes que os muçulmanos e os cristãos podem ser seres humanos vivendo juntos e tendo verdadeiras amizades e relações. Eles não têm de se matar uns aos outros nem de viver em comunidades exclusivas. E é possível que muçulmanos e cristãos vivam juntos em paz. Após três semanas deste tipo de encontro mútuo, regressaram às aldeias com as suas mentes completamente mudadas. Assim, eles podem partilhar esta experiência com os seus familiares e amigos nas suas aldeias.”


Tags

BC-July21-POR


You may also like

POR – December post 1

POR – December post 1

POR – December Scenesetting

POR – December Scenesetting
{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}

Subscribe to our updates now

Enter your details below and we'll keep you in touch with the conference as well as sharing resources and news about the event.