Julho 31

Unidos em oração – bispos de todo o mundo juntam-se em coro global no serviço de abertura da Lambeth Conference na Catedral de Cantuária

As línguas de todos os cantos do mundo reverberavam hoje em dia à volta da Catedral de Cantuária, enquanto bispos de toda a Comunhão Anglicana se uniam em oração.

Bispos representando cerca de 165 países, juntaram-se à Oração do Senhor na sua própria língua durante um comovente serviço de abertura formal da 15ª Conferência de Lambeth.

Música, orações e leituras foram também ouvidas em Maori, Bengali, Zulu, Cantonês e Shona, bem como em francês, espanhol e inglês, num serviço transmitido em directo a uma audiência global.

O Bispo do Lesoto, O Revd Dr. Vicentia Kgabe, proferindo o sermão, falou de como a Comunhão Anglicana é “chamada a praticar a hospitalidade e a servir” num mundo que experimenta “sérias dores e lutas”.

Disse ela: “Então como é que nós, como igreja – a igreja anglicana, demonstramos hospitalidade num mundo que está a atravessar e a atravessar alguma dor e conflito sério?

“Fazemo-lo seguindo o modelo que nos foi estabelecido pelo nosso salvador, e este modelo não é egocêntrico nem voltado para o próprio interior. Chama-nos a não olhar para o umbigo, mas chama-nos a procurar primeiro o reino de Deus e a justiça de Deus, e todas as coisas que desejamos, que ansiamos, que pedimos e que esperamos que nos sejam dadas, mas primeiro procuramos o Reino.

“Como a comunhão anglicana que podemos e temos em nós para curar e servir o mundo, fazemo-lo partilhando o que temos livremente sem medo de que esgote.

“Porque o nosso Deus é um Deus que nos providencia e nos assegura que ‘aqueles que confiam no Senhor para obter ajuda encontrarão as suas forças renovadas; erguer-se-ão em asas como águias; correrão e não se cansarão; caminharão e não desmaiarão’.

“O nosso jarro não será esvaziado, nem o nosso jarro falhará”. Servimos um Deus que providencia”.

Durante o serviço, uma nova cruz primacial foi apresentada pelo Arcebispo de Cantuária ao Arcebispo de Alexandria e Bispo do Egipto, o Monsenhor Samy Shehata, na presença de Sua Eminência o Arcebispo Angaelos, Arcebispo Copta Ortodoxo de Londres, um dos convidados ecuménicos ao serviço.

A Província Episcopal / Anglicana de Alexandria foi inaugurada como a 41ª Província da Comunhão Anglicana em 2020. As protecções covardes impediram as viagens internacionais ao Egipto na altura, impedindo a tradicional apresentação da cruz primacial ao Arcebispo Samy pelo Arcebispo de Cantuária.

O Arcebispo de Cantuária, no início do serviço, rezou para que a Conferência de Lambeth levasse os bispos a uma compreensão mais profunda uns dos outros e a um amor mais profundo pelo mundo.

Disse ele: “Rezemos sinceramente pela bênção de Deus sobre aqueles que aqui estão reunidos, para que, através da nossa discussão e do nosso caminhar juntos, possamos crescer em compreensão mais profunda uns dos outros e em amor mais profundo pelo mundo Jesus Cristo veio salvar”.

Falando antes da distribuição da Eucaristia no culto, disse ele: “Ao chegarmos à Comunhão, estamos todos conscientes de que alguns que estão aqui não se sentirão capazes de receber a Comunhão, há alguns pelas regras da sua própria Igreja entre os nossos amados e valiosos convidados ecuménicos.

“E há outros entre nós por causa das nossas próprias divisões. Neste momento, enquanto comungamos, permaneçamos em silêncio quando estamos sentados no nosso lugar e rezemos pela cura da Igreja de Deus, não só da Comunhão Anglicana, mas da Igreja católica e universal, para que possamos encontrar pelo poder de Deus o momento em que nos possamos reunir em todo o mundo como um só”.

Aqui está o texto completo do sermão do Dr. Kgabe

Que as palavras da minha boca e as meditações do nosso coração sejam aceitáveis aos vossos olhos Senhor meu rochedo e meu Redentor.

Ao reunirmo-nos nesta 15ª Conferência de Lambeth, trazemos no nosso coração e pressionamos as nossas mentes, assuntos e situações que desafiam e/ou perturbam as nossas respectivas casas, países, regiões, dioceses e províncias. Também nos reunimos para celebrar a diversidade e os dons que nos foram generosamente dados para a missão e ministério na igreja de Deus para o mundo de Deus. Como disse o autor de 1 Pedro “como bons administradores da multiforme graça de Deus, sirvam-se uns aos outros com qualquer dom que cada um de vós tenha recebido”.

As leituras estabelecidas para o serviço eucarístico de hoje em dia têm recorrido a palavras-chave que podem ser resumidas em dois temas, nomeadamente liderança serviçal e hospitalidade. Ser um chefe de serviço é mostrar hospitalidade.

Deixem-me lembrar-vos do dia da vossa consagração, a acusação foi lida e as seguintes palavras foram ditas pelo chefe de consecrador.

“Eles disseram: a Igreja é o Corpo de Cristo, o povo de Deus e a morada do Espírito Santo. No baptismo, toda a Igreja é convocada a testemunhar o amor redentor de Deus que revela o próprio Deus ao povo de Deus através das coisas normais, físicas, temporais e mundanas desta vida e assim a trabalhar para a vinda do Reino de Deus.

Para servir este sacerdócio real, Deus tem dado ministérios específicos. Os Bispos são ordenados a serem Pastores do rebanho de Cristo e guardiães da fé, a proclamar a palavra de Deus e a liderar o povo de Deus em missão. Obedientes ao apelo de Jesus Cristo e no poder do Espírito Santo, os Bispos são chamados a reunir o povo de Deus e celebrar com eles os sacramentos do novo pacto. Assim, formada numa única comunhão de fé e amor, a Igreja em cada lugar e tempo está unida com a Igreja em cada lugar e tempo”.

Nesta parte do Encargo (Ordenação dos Bispos), há um lembrete e também um convite para servir o povo de Deus e praticar a hospitalidade onde quer que tenhamos sido plantados, enviados e colocados e devemos fazê-lo em época e fora de época. E não há limites sobre o quanto se pode ser hospitaleiro ou o quanto se pode servir o povo de Deus, é algo constante e contínuo.

Como igreja, somos chamados a praticar a hospitalidade e somos chamados a servir.

A hospitalidade, no dicionário de Oxford, é definida como “a recepção e entretenimento amigável e generoso de hóspedes, visitantes ou estranhos”. Isto não era suficiente para uma rapariga africana.

Olho para o meu contexto o que significa ser hospitaleiro. No contexto africano, a hospitalidade é definida como “a extensão da generosidade, dando livremente sem compromissos”. Também pode ser visto como uma disponibilidade incondicional para partilhar”. É também a vontade de dar, ajudar, auxiliar, amar e carregar os fardos uns dos outros sem necessariamente colocar o lucro ou recompensas como a força motriz. Isto é o que chamamos ubuntu – uma pessoa é uma pessoa através de outras pessoas – Umntu ngumtu nga bantu.

Esta hospitalidade é demonstrada na nossa antiga leitura de testamento pela viúva que acolheu e alimentou um desconhecido com os seus restantes alimentos diminutivos. Este seu acto poderia ter resultado na morte por fome, pois o texto diz “ela disse a Elias que estava a juntar paus para que pudesse ir para casa e preparar uma refeição para si e para o seu filho, para que eles pudessem comer e morrer” (1 Reis 17: 12).

Na nossa segunda leitura, o autor de 1 Pedro exorta-nos a ser hospitaleiros, pois escreve “ser hospitaleiros uns para os outros sem se queixarem”. Como bons mordomos da multiforme graça de Deus; servi-vos uns aos outros com qualquer dom que cada um de vós tenha recebido”. E no evangelho de João, Jesus é citado como dizendo: “Portanto, se eu, vosso Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns aos outros”.

A hospitalidade pode ser uma coisa poderosa e também uma coisa vulnerável a fazer. Poderosa porque permite às pessoas entrar no seu espaço e partilhar o que tem com elas. Na maioria dos casos, o anfitrião está no controlo. Vulnerável, porque na maioria dos casos, como anfitrião, permite que estranhos ou estranhos e amigos entrem no seu espaço, no seu domínio. Receber um convidado em sua casa implica também estar aberto à presença dessa pessoa, demonstrando interesse no que essa pessoa tem para oferecer.

Como anfitrião, não relaxa até que o último convidado tenha partido sem partir a sua porcelana.

As nossas leituras de hoje lembram-nos que servir e serviço ou liderança de serviço e hospitalidade caminham juntos; a viúva hospedou Elijah e serviu-lhe comida. E através de Elias Deus prometeu-lhe que “o frasco de refeição não será esvaziado e o jarro de óleo não falhará até ao dia em que Deus enviar chuva sobre a terra”.

Jesus Cristo demonstra isto também na nossa leitura do evangelho, lemos que durante a refeição com amigos e discípulos ele se afastou da mesa. E tomou uma bacia com água, demonstra uma nova forma de servir – lavando os seus pés, e orienta que devem fazer isso um pelo outro. Este é simultaneamente um acto de hospitalidade e de serviço e o amor é central para este acto.

Então como é que nós, como igreja – a igreja anglicana, demonstramos hospitalidade num mundo que está a atravessar e a experimentar alguma dor e luta séria? Fazemo-lo seguindo o modelo que nos foi estabelecido pelo nosso salvador, e este modelo não é egocêntrico nem virado para o futuro. Chama-nos a não sermos olhadores do umbigo, mas chama-nos a procurar primeiro o reino de Deus e a justiça de Deus, e todas as coisas que desejamos, que ansiamos, que pedimos e que esperamos que nos sejam dadas, mas primeiro procuramos o Reino.

Como a comunhão anglicana que podemos e temos em nós para curar e servir o mundo, fazemo-lo partilhando o que temos livremente sem o medo de fugirmos vazios. Porque o nosso Deus é um Deus que nos providencia e nos assegura que “aqueles que confiam no Senhor para obter ajuda encontrarão as suas forças renovadas”. Erguer-se-ão em asas como águias; correrão e não se cansarão; caminharão e não se cansarão”. O nosso jarro não será esvaziado, nem o nosso jarro falhará. Servimos um Deus que providencia.

Como é que nós, como igreja, demonstramos hospitalidade uns para os outros? Para muitos, a igreja tem sido um lugar de dor e sofrimento. Podemos e temos em nós servir os filhos de Deus, amar todos os filhos de Deus, não apenas aqueles que se parecem connosco, falam a mesma língua que nós ou são da mesma classe socioeconómica ou política que nós – todos os filhos de Deus.

Esta conferência de Lambeth, esta nossa igreja tem o poder e é capaz de curar o mundo e curar a igreja, e como fazemos isto 1 Pedro lembra-nos “de manter um amor constante uns pelos outros, pois o amor cobre uma multidão de pecados”.

Como concluo, a minha oração é que durante o nosso tempo juntos e mais além

Que o nome de Deus seja santificado e não o nosso!

Que seja feita a vontade de Deus e não a nossa!

Que venha o Reino de Deus e não o nosso!

Amém”

NOTAS AOS EDITORES

Contactos do gabinete de imprensa:

Telefone – 0207 313 3940

Email: media@lambethconference.org

Obtenha fotos oficiais da Lambeth Conference aqui.


Tags


You may also like

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}

Subscribe to our updates now

Enter your details below and we'll keep you in touch with the conference as well as sharing resources and news about the event.