Alimentar os famintos e combater a injustiça na Malásia

Desde reuniões com ministros do governo até à partilha de alimentos com os famintos, um bispo na Malásia diz que estão a partilhar o amor de Deus tanto em palavras como em acções.

Padre de cinco, Arcebispo Melter Jiki Tais, foi instalado como sexto Arcebispo e Primaz da Província da Igreja Anglicana no Sudeste Asiático no ano passado. É também o Bispo da Diocese de Sabah, na Malásia.

Ele falou sobre como a igreja está a ter impacto no governo, comunidades e indivíduos na Malásia, apesar de ser uma religião minoritária.

Segundo o Arcebispo, a Malásia é um país multirracial e multirreligioso, com cristãos que constituem cerca de 10% dos seus 32 milhões de habitantes.

“Há uma percentagem muito pequena de cristãos no país”, disse ele. Como presidente da Federação Cristã da Malásia, incluindo a associação de todas as igrejas, o Arcebispo Melter disse: “Pergunto-me sempre como ser o sal à luz do mundo, no contexto da Malásia”. É um crime para os cristãos converter muçulmanos, pode-se ser preso por isso”. Mas creio que o Evangelho é para cada pessoa, independentemente da sua raça e religião. E é por isso que eu sinto que a Igreja de Jesus Cristo na Malásia precisa de pensar em como ser sal e luz efectiva do mundo”.

Ele acredita que os efeitos da pandemia deram à Igreja novas oportunidades para partilhar o amor de Deus de formas práticas com todos aqueles que têm sofrido.

“Penso que precisamos de construir boas pontes de relacionamento com os nossos semelhantes, com os nossos vizinhos, e especialmente durante este tempo, com a pandemia de Covid 19, onde o nosso movimento é muito limitado. Uma das coisas em que nós, como diocese, e eu próprio, também estamos envolvidos é a assistência social – fornecer alimentos às famílias que estão gravemente afectadas por esta pandemia. Esperamos que através destes actos de amor, que o Senhor em Sua própria graça e no Seu próprio momento perfeito, toque os corações das pessoas que receberam esses fornecimentos alimentares”.

“As pessoas também têm vindo a perder os seus empregos. De facto, o número de casos de suicídio na Malásia, desde o ano passado, é muito alarmante, muito preocupante. Quase três ou quatro mais, as pessoas cometem suicídio todos os dias, porque perderam o seu emprego e têm empréstimos bancários para pagar. E de facto, agora literalmente no nosso país, as pessoas estão a colocar as bandeiras brancas, porque não têm nada para comer”.

Ser sal e luz na Malásia para o Arcebispo é também falar contra a injustiça e a corrupção como líderes cristãos. “Quando falamos de política, especialmente na Malásia, há muitas coisas que não nos parecem correctas. Por exemplo, a corrupção, penso que em quase todo o mundo, temos este problema. Mas como é que transmitimos ao governo que isto não está certo? O que fazemos é normalmente pedir uma audiência com as autoridades competentes”.

Numa reunião no ano passado com o ministro chefe de Sabah e líderes cristãos, o Arcebispo explicou: “Eu disse, se a política governamental for boa para o povo do Estado ou do país, a igreja irá apoiá-la, mas se a política não beneficiar o povo de todo o Estado, e se a política marginalizar certos grupos de pessoas, ou se envolver algumas formas de corrupção, então eu disse, nós queremos dizer-vos que isto não está certo. E queremos dizer-vos, não através dos meios de comunicação social, mas através deste diálogo face a face. E, na verdade, o ministro-chefe apreciou muito isso”.

Na sequência da reunião, o Arcebispo Melter pôde enviar mensagens de texto directas ao ministro para lhe dar a conhecer as suas preocupações sobre políticas ou situações.
“No final das contas, quer o governo nos ouça ou não, essa é uma questão diferente. Mas sentimos que, num momento como este, se houver necessidade de falarmos com o governo, fá-lo-emos. Não publicamente, mas procuraremos uma audiência com os ministros relevantes e comunicaremos com eles o nosso sentimento. Porque penso que uma das coisas pelas quais temos rezado todas as semanas numa reunião de Zoom, é que o Senhor irá de alguma forma eliminar os chamados males no nosso país”.

“Sinto que, como bispo, também tenho um papel a desempenhar para falar profeticamente com os nossos líderes. Por vezes, como bispo, especialmente quando se é nomeado ou eleito como presidente de uma organização cristã, precisamos de ser muito sábios sobre quando falar e quando não falar, e não apenas tentar responder a cada questão. Mas sinto que se estiver relacionado com a fé cristã, minando a nossa fé, ou mesmo marginalizando certos grupos no país, precisarei de falar. Mas mais uma vez, como fazê-lo? Precisamos de o fazer de uma forma muito, cortês e respeitosa. E é por isso que quando nos encontrámos com o ministro chefe da Sabah no ano passado, ele ficou muito contente porque não fomos à imprensa. Em vez disso, solicitámos uma audiência com ele, conversámos com ele, e ele ficou muito agradecido com o nosso gesto”.


Tags

BC-Oct21-article-POR


You may also like

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}

Subscribe to our updates now

Enter your details below and we'll keep you in touch with the conference as well as sharing resources and news about the event.