Minha jornada para a oitava Lambeth Conference – lembranças de uma criança de nove anos

  • Novembro 15, 2019

Minha jornada para a oitava Lambeth Conference – lembranças de uma criança de nove anos

  • Novembro 15, 2019

Em 1948, os pais de Sally Gainsborough, então com nove anos de idade, partiram de navio da África do Sul para participar da oitava Lambeth Conference. Hoje, aos oitenta anos, ela relembra esta viagem e fala sobre a vida de seus pais na Comunhão Anglicana durante o pós-guerra.

Mudança para a África do Sul – 1927

Meus pais, John e Philippa Hunter, partiram para a África do Sul em 1927, logo após seu casamento, para que meu pai pudesse assumir o cargo de Vigário na Igreja de São Paulo, em Rondebosch, na Cidade do Cabo. Não sei quanto tempo eles pretendiam ficar na África do Sul, pois haviam deixado toda a família para trás na Inglaterra. Mas, no final das contas, eles passaram o resto de suas vidas lá, pois um posto levou a outro e, consequentemente, também ao compromisso de meu pai com a Igreja da Província da África do Sul.

Infância na África do Sul

Meu irmão, minha irmã e eu nascemos na África do Sul e crescemos lá. Como todos os filhos do clero, nos mudávamos com bastante regularidade à medida que os trabalhos de meu pai mudavam. Antes de eu nascer, meu pai teve um trabalho particularmente difícil como Reitor de Namaqualand, onde o clima e as condições eram tais que, quando minha irmã ficou doente, ela teve que ser deixada em um orfanato na Cidade do Cabo. Nasci depois desse período, quando meu pai era Reitor de Stellenbosch, e sei que foi um período particularmente feliz para meus pais.

No início dos anos 40, meu pai tornou-se Decano de Bloemfontein e mais tarde Bispo de Kimberley e Kuruman. Sempre me deu a entender que a diocese dele era do tamanho da França e da Espanha e, embora não possa verificar isso, sabia que ela era de fato vasta, e incluía até parte do deserto de Kalahari! Meu irmão mais velho participou de sua consagração na Catedral de Santa Maria em Joanesburgo, embora eu me lembre de sua entronização na Catedral de São Cipriano, em Kimberley, usando um chapéu de sol amarelo!

Meu pai – a vida de bispo

Em minha infância, eu estava muito consciente das dificuldades de meu pai devido ao seu trabalho como bispo. Ele tinha que percorrer enormes distâncias para visitar as várias paróquias. Naquela época, a maior parte do clero Anglicano vinha da Inglaterra (isso mudou mais tarde), e, quando meu pai acompanhava cada novo sacerdote à sua paróquia, levava alguns dias só para fazer a viagem.

Meu irmão me relembrou há algum tempo das visitas regulares que nosso pai fazia a uma comunidade da igreja em Waldex Plant, nas escavações de diamantes nas margens do rio Vaal.

Viagem para a Lambeth Conference – 1948

Viajamos para a Lambeth Conference em 1948. A viagem foi por mar, e levou duas semanas em um navio da Union Castle Line. Eu tinha 9 anos, e foi uma experiência extremamente emocionante viajar para o exterior e perder uma grande parte do ano letivo na África do Sul! Também me lembro de ter que adquirir roupas mais quentes para a viagem e minha mãe saindo para adquirir os tecidos e depois costurando-as. Também iríamos conhecer muitos parentes que nunca tinha visto e, claro, a própria viagem marítima era uma grande experiência. Lembro-me de tomar banho na água do mar, com apenas uma tigela de água fresca para usar com sabão.

Havia uma série de atividades durante a viagem, com jogos no convés, competições, muito entretenimento e, claro, uma cerimônia para marcar nossa travessia da linha do Equador.

Obviamente, a Lambeth Conference não era para mim, e fui enviada para ficar com a irmã de meu pai e frequentar a Perse School, em Cambridge, onde minha tia lecionava. Lembro-me de sentir falta dos meus pais, mas tive uma experiência maravilhosa – incluindo minha própria bicicleta para ir para a escola, com cesto na frente e até um coelhinho de estimação!

Participando da Lambeth Conference – as experiências de meus pais

Receio que, aos nove anos de idade, grande parte da Lambeth Conference não fazia muito sentido para mim. No entanto, foi claramente um evento muito importante para meus pais (e novamente em 1958, quando meu pai era Bispo de George). E em ambas as ocasiões, pessoalmente, era o momento de se reconectar com a família, pois jamais teríamos condições de viajar para a Inglaterra.

Lembro-me, no entanto, que nosso Arcebispo da Cidade do Cabo (Arcebispo Russell Darbyshire) morreu antes ou durante a Lambeth Conference, e talvez tenha sido por causa desse triste evento que meus pais se envolveram mais do que esperavam.

Minha mãe foi convidada de forma inesperada a fazer uma visita à Alemanha, juntamente com outras esposas de bispos, e em 1948 essa foi claramente uma visita muito memorável.Tenho um artigo que ela escreveu sobre a viagem para um jornal sul-africano. Sei também que eles fizeram bons amigos em Lambeth, em particular o falecido bispo de Edimburgo, Kenneth Warner, e sua esposa, e mantiveram contato por muito tempo depois.

Questões enfrentadas por meus pais como ministros Anglicanos no pós-guerra

Em termos dos problemas que minha família enfrentou, obviamente o apartheid na África do Sul foi o principal e o pano de fundo de grande parte do trabalho de meu pai. Lembro-me particularmente das questões que envolviam os esforços do governo sul-africano para forçar o apartheid nas congregações da igreja, e da posição corajosa do Arcebispo Geoffrey Clayton de se recusar publicamente a aquiescer a estes esforços.

Aparentemente, foi na quarta-feira de cinzas de 1957 e no dia anterior à sua morte que ele assinou uma carta ao primeiro-ministro se recusando a obedecer, e também se recusando a aconselhar o povo da igreja Anglicana na África do Sul a obedecer ao artigo do Native Laws Amendment Act (“Emenda às Leis dos Nativos”) que buscava forçar o apartheid em todas as congregações Cristãs. Foi um ato muito corajoso, um dentre muitos atos de outros clérigos que foram presos pelo que defenderam, e até onde eu sei, essa lei nunca foi de fato cumprida.

Meu próprio capelão da escola, o Rev. Gonville ffrench-Beytagh, que me preparou para a crisma na escola em Joanesburgo, foi preso junto com outras pessoas quando era decano de Joanesburgo por sua posição contra o apartheid.

******
Este artigo foi publicado nas palavras de Sally Gainsborough. Sally é mãe de Martin Gainsborough, Capelão do Bispo de Bristol. Os laços familiares com a Igreja na África do Sul continuam com o primo de Martin, Andrew Hunter, que é o Decano de Grahamstown. É o avô deles que era Bispo. Agradecemos a Sally e sua família por compartilharem essa história.